Por Cassio Pagliarini, da Bright Consulting

Esta semana traz dois fatos muito importantes para o mercado brasileiro: COP28 em Dubai e a passagem pela marca de 5% para a participação de veículos eletrificados em novembro.

Os desafios globais para redução dos gases de efeito estufa discutidos na COP28 continuam gigantes, pois os planos definidos até agora não surtiram o efeito desejado. Os eventos climáticos “fora da curva” continuam assombrando a todos, especialmente com o registro de ano mais quente na história da civilização durante 2023. Muitos países começam a questionar a viabilidade de propostas reais para alcançar balanço zero na evolução dos gases estufa, sem uma solução financeira eficaz que passa pela indenização dos países com maior impacto nessa conta.

De forma particular, o Brasil tem mais alternativas que outras nações pelo clima ameno, pela disponibilidade de forte radiação solar durante todo o ano e pelo desenvolvimento robusto de biocombustíveis. O Brasil está sendo apresentado em Dubai como liderança na política de energias renováveis e isso também se aplica aos meios de transporte, como veremos a seguir.

Em linha com essas realidades, a Bright Consulting desenvolveu e acaba de lançar o projeto E-Mobility Scenarios 2030 – uma visão de futuro para a eletromobilidade no Brasil. De forma a nivelar conhecimentos e perspectivas, o projeto traz todas as informações necessárias para a compreensão das tecnologias empregadas em veículos, baterias, sistemas de carregamento, distribuição geolocalizada das vendas e da infraestrutura, regulamentação e benefícios fiscais em diversos países, projeções de vendas até 2032 em dois cenários prospectivos e impacto para os atores do mercado.

Falando das projeções, a Bright Consulting construiu dois cenários: o primeiro deles com uma evolução equilibrada da economia e um segundo cenário descrevendo riscos e consequências por controle menos adequado para o equilíbrio fiscal e taxa de juros. Especificamente sobre os veículos eletrificados, no segundo cenário, eles continuam com uma participação forte dentro da indústria pois servem a um público de maior renda, mesmo enquanto o volume total dessa indústria seja menor.

O projeto mostra a penetração das várias tecnologias no mercado brasileiro, com destaque para a MHEV, que cresce no Brasil mais do que para o resto do mundo devido aos seus custos menores, facilidade de montagem dos conjuntos propulsores na mesma linha de produção e a possibilidade de alimentação com etanol.

O projeto E-Mobility Scenarios 2030 é entregue através de um seminário de 2 horas por vídeo conferência e com o fornecimento de uma base de vendas geolocalizadas entregues trimestralmente durante um ano. É interessante observar que enquanto a Europa projeta 44% de penetração para os veículos BEV puramente elétricos em 2030, esses mesmos veículos não chegam a 11% das vendas no Brasil devido ao seu alto custo e restrições de infraestrutura, estas também exploradas em detalhes no projeto E-Mobility Scenarios 2030.

Falando das alternativas da mobilidade sustentável, o projeto explora em detalhes o efeito de cada tecnologia na emissão de CO2 equivalente, resumida no gráfico abaixo. Nossos veículos HEV e PHEV com tecnologia flex estão muito próximos aos veículos elétricos, com uma necessidade de investimento e infraestrutura muito menor. Com certeza são uma excelente solução transitória até que formatos mais evoluídos, ecológicos e baratos estejam disponíveis – atenção para baterias de sódio e células de combustível. Vale ressaltar que os nossos veículos híbridos flex já emitem menos CO2 equivalente do que veículos BEV operando em países com matriz energética menos limpa.

Finalmente, falando dos impactos para montadoras, fornecedores, concessionários e usuários, ofertas verdes coexistirão durante muito tempo com os veículos ICE, puros a combustão, principalmente pelo fator econômico, seja qual for a regulação proposta – apenas 11% do parque circulante será formado por veículos eletrificados em 2030. Para concessionários, a maior complexidade de seus produtos garante a presença dos clientes em suas oficinas por mais tempo.

As mudanças para o consumidor estão cobertas também no seminário que ressalta o crescimento dos contratos de assinatura, utilização compartilhada, evolução no transporte público e nos serviços last mile.

De forma abrangente e ao mesmo tempo detalhada, o projeto E-Mobility Scenarios 2030 permite a qualquer empresa conectada ao setor automobilístico se preparar para essas mudanças e implementar as ações que a façam relevante na nova formatação do mercado.

,